quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Bolo Low Carb

Ingredientes: 
Foto meramente ilustrativa

- 1 xícara de farelo de aveia
- 1 colher (chá) de fermento em pó
- 1 banana picada
- 2 maçãs picadas (eu deixei a casca por causa da fibra - só tirei a semente e o caule)
- 2 ovos

Modo de Fazer: 

1. liquidificar a maçã, a banana e os ovos
2. misturar a aveia e o fermento numa bacia separada
3. colocar a mistura liquidificada na bacia e misturar bem.
4. colocar em forno pré aquecido em 180º C numa forma untada por 40 minutos 

DicasColoquei uma porção de uvas passas e triturei um pouco de castanhas de cajú para dar mais crocância. 

Depois de colocar a mistura final na forma enfeitei com lâminas de maçã. 

Facilidade: ☻☺☺☺☺ (super fácil)
Gostosura: ☻☻☻☻☺ (muito bom)
Preço: ☻☺☺☺☺ (regular)

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Santo Domingo - República Dominicana

Chegamos à Santo Domingo por volta do meio-dia do dia 31 de janeiro de 2018.
Colombo
A diferença de fuso fez com que ganhássemos duas horas no dia.
A primeira impressão foi de um aeroporto pequeno mas moderno. 
Havia um transfer da Blue Travel nos aguardando. Nos deixou em frente ao hotel sem dizer sequer uma palavra. Achei meio desconfortável, já que minha mãe tinha tratado um pacote com tudo incluso, diferente das viagens que costumo planejar.
O hotel Antiguo Europa fica quase na extremidade da Cidade Antiga e é um ótimo lugar de Santo Domingo para explorar a parte histórica da cidade.
Assim como a maioria dos hotéis da cidade antiga, os prédios são verdadeiros monumentos históricos. O hotel em que ficamos se tornou um Hotel Boutique. A exemplo dele diversos outros que inclusive pertenceram à famílias ilustres da cidade durante os primeiros séculos da colonização.
Para quem não sabe, a República Dominicana foi o primeiro local onde aportou Colombo quando descobriu a América. 
Existem muitos prédios da época, onde viveram figuras importantes que exploraram as Américas, o filho e o irmão de Colombo e a controversa tumba do Cristóvão que vimos curiosamente também em Sevilha... mas enfim...
...
31.01.18 - Desfizemos as malas e a mãe e eu solicitamos um guia na recepção.
Vista do Malecon e Rio Ozama
Por volta das 15:00 ele estava no saguão e nos ofereceu seus serviços por US$ 50,00 dólares. Muito barato já que seria todo o dia seguinte para quatro pessoas.

Depois disso saímos para caminhar e a primeira impressão do centro antigo foi legal. Uma temperatura quente por ser inverno, mas sempre com um ventinho que disfarçava o calor.
Nesse dia a mãe, eu e a Rafa perambulamos meio sem rumo pelo centro seguindo pela rua do Hotel, Arzobispo Meriño. Passamos pela belíssima Catedral Primada da América (de 1503) e depois entramos na Calle El Conde, onde te muito comércio, lojas e supermercados. 
Paramos para tomar um Frozen Yogurt numa das inúmeras lojinhas de Helados Bon e visitamos o Super Nacional... adoro ir a supermercados nas viagens!
Na volta paramos na La Casa de Los Dulces, um local que vende doces típicos há mais de 50 anos. Claro que levamos alguns petiscos pro hotel!
Voltamos e ficamos descansando porque passamos uma madrugada mal dormida no avião.
Uma dica sobre o hotel Antiguo Europa: quartos internos levam diretamente ao vão que acaba no terraço onde a música rola até 22:00. Se procurar silêncio, creio que seja melhor pegar quartos ligados à parede externa do imóvel.
...
01.02.18 - acordamos e fomos pro café no Terraço. Bem simples, mas completo. 
Descemos para encontrar o guia que nos levou ao tour de Santo
Calle Las Damas
Domingo. 

Começamos a pé pla cidade antiga, descendo até a Plaza Espanha e seguindo pela Calle las Damas.
Passamos pelo Alcazar de Colón, pelo Reloj del Sol, pelas residências de Colombo, de Nicolás de Olvando (fundador de Santo Domingo), Ponce de Leon (fundador de Porto Rico), Francisco Pizarro (desbravador da América Latina) entre outros. A maioria dessas casas foi transformada em hotéis e restaurantes requintados.
Entramos no Panteón de la República que fica num prédio antigo, que era uma igreja jesuíta. Quando os jesuítas foram expulsos de Santo Domingo em meados do séculos XVIII, o prédio ficou abandonado. No início do século XX, ele foi restaurado e utilizado para guardar os restos mortais das pessoas mais importantes do país. É muito bonito.
Fomos andando até chegar na Catedral Primada, onde entramos. A Rafaela estava com uma roupa curta e teve que colocar um manto para se cobrir.
Na saída, andamos pelo Parque Colon e seguimos pela Calle Isabel La Catolica até o local onde entramos no carro.
A partir daí seguimos até o Faro a Colón, que foi criado pelo advento dos 500 anos de descobrimento da América e visita do Papa João Paulo II. Uma obra meio faraônica que abriga no seu interior um susposto túmulo dos restos de Cristõvão Colombo. Suposto porque no ano anterior em Sevilha também
Ruas bem cuidadas e floridas!
encontramos o "outro" túmulo dele... sendo assim...

Além do suposto esquife tem mostra de países que fazem parte da construção da República Dominicana bem como as nossas senhoras de todos estes países. Do lado de fora um papa móvel preservado do ano que Sua Santidade esteve visitando o país.
Depois disso, fomos ao ponto alto do tour: Parque Nacional Los Tres Ojos. são formações de milhares de anos que resultaram em lagos abaixo do nível da terra, em cavernas, onde a luz do dia reflete na água e parece mágico de tão lindo.
Conta-se que os índios tainos ali se abrigavam das intepéries e na lagoa menos profunda as mulheres e crianças se banhavam. 
Para a visitação é necessário ter fôlego. São muitos degraus de subida e decida. 
Para chegar ao último lago é necessário passar pelo segundo sobre uma espécie de barca puxada por cordas. Sempre é bom dar uma gorjeta para os rapazes que fazem a força (nesse caso gira em torno de 3 dólares).
É muito mágico e um dos locais imperdíveis de Santo Domingo. Num extremo do parque fica o Faro de Colom e no outro este local. Se tiver bastante tempo é possível fazer a pé. Nós fizemos de carro. 
Depois dali saímos para a parte mais moderna da cidade para almoçarmos. Enquanto íamos passando pelo Malecon (onde no dia 27 de fevereiro se comemora a independência da República Dominicana do país vizinho, o Haiti e o carnaval) o guia ia nos contando sobre a cidade.
Para almoçar ele nos levou no El Meson de La Cava no Parque Mirador Sur (tem uma vista magnífica do mar). É um restaurante abaixo do solo, em cavernas antes habitadas pelos índios locais. Ainda preservam as inscrições rupestres da
Muitos papagaios 
parede mas é todo ambientado, com um clima romântico e muito bem atendido. Comi um pescado maravilhoso, meus pais comeram a lasanha e a Rafa comeu um tipo de massa. Amamos.

O local em si recebe visitações mesmo que não seja para almoços e jantares.
Depois dali fomos até a parte nobre da cidade. Muitos edifícios bonitos e altos e no mesmo bairro o palácio do governo. Ele é uma réplica da Casa Branca mas pintado de uma outra cor leve. 
Não deu para passar em frente porque o presidente estava saindo... de helicóptero... 
Passamos pelo bairro chinês e entramos na cidade velha, onde o tour encerrou numa loja de âmbar. Um tipo de resina que solidifica e só na República Dominicana conseguem uma coloração azulada além da amarela.
Ali encerrou o tour mas a Rafaela teve que ir com o guia onde o carro estava estacionado porque deixou o iphone cair e não achou mais. 
Fim de tarde e fui pro hotel e logo ela apareceu como o dito cujo. Ufa!
De noite demos uma volta e tomamos paleta mexicana no Paletas Bajo Cero. Deliciosas!!!!!
...
02.02.18 - Acordamos mais tarde, tomamos nosso café e fomos passear. Fizemos o mesmo trajeto do dia anterior, mas demoramos mais nos locais mais interessantes. Circundamos o centro histórico até chegarmos no monumento à
Tres Ojos
imigração japonesa e o monumento ao frei Antòn de Montesinos. Dali subimos pelas ruas adjacentes descobrindo outros prédios igualmente antigos e bonitos.

Almoçamos no Parque Colón e depois voltamos ao hotel.
Confirmei pelo telefone o transfer para Punta Cana no dia seguinte.
De tarde passeei com a mãe, fomos numa livraria onde comprei o livro de um dos escritores locais Juan Bosch, Cuentos Escrito en el Exílio. O cara simplesmente foi presidente da República Dominicana após a ditadura de Trujillo. Foi derrubado por um golpe militar sete meses depois e teve que se exilar de novo em Porto Rico. Adoro conhecer a história dos locais onde visito. Sempre procuro trazer livros comigo de onde volto.
Tomamos um café na Calle El Conde, fomos numas lojas locais e voltamos ao hotel. 
De noite demos mais uma passeada e hotel.
...
03.02.18 - Acordamos, tomamos café, fiquei lendo e ao meio-dia descemos conforme o combinado. Fizemos check out e o transfer chegou. Fomos à Punta Cana passando por várias paisagens lindas.
Panteon da República


Catedral Primada


Ruínas do Hospital São Nicolau de Bari

Tres Ojos

Orquidea 


Plaza España




Parque Municipal


El Meson de la Cava


Amores!


terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

A HORA DA ESTRELA

FICÇÃO - A HORA DA ESTRELA

Autor: LISPECTOR, Clarice
Idioma: PORTUGUÊS
Editora: ROCCO
Assunto: Ficção
Edição: 1
Ano: 1977
ISSBN: 9788532508126
 
Resenha segundo a Amazon: Entre a realidade e o delírio buscando o social enquanto sua alma a engolfava Clarice escreveu um livro singular. "A Hora da Estrela" é um romance sobre o desamparo a que apesar da linguagem todos estamos entregues.
Minha Opinião: Todos temos um pouco de Macabéia em cada um de nós. 
Apesar de termos noção de mundo, do espaço que ocupamos nessa vastidão, é inevitável termos momentos de completo deslumbramento perante nossa simplória insignificância e vã existência.
Impossível ler esse livro sem ficar incomodado no final.
Simplesmente um clássico ESTUPENDO da literatura brasileira. Pena que foi o último de Clarice.
Nota: ♥♥♥
♥♥

Coração das Trevas

FICÇÃO - CORAÇÃO DAS TREVAS

Autor: CONRAD, Joseph
Idioma: PORTUGUÊS
Editora: NOVA ALEXANDRIA
Assunto: Ação e Suspens
Edição: 1
Ano: 2005
ISSBN: 9788574920900
Resenha segundo a FNAC: Marlow, O Narrador Desta História, Tinha Uma Missão - Localizar Kurtz, Um Lendário E Estranho Caçador De Marfim Que Havia Se Isolado Nos Confins Do Congo Belga. Ao Chegar Lá, Após Vários Obstáculos, Marlow Encontra Um Mundo No Qual Reinam Opressão E Trevas Sob Domínio Mórbido De Kurtz.
Minha Opinião: Essa adaptação do clássico de Conrad pubicado em 1922, serve para cativar jovens leitores. A história que foi inspirada numa das viagens do próprio autor serviu de inspiração para diversos filmes, para séries e outras obras. Nesta edição editora, mescla imagens e texto, tornando mais cativante ao público alvo.

A melhor adaptação desse clássico, todavia, foi o filme "Apocalipse Now" do Coppola, que ao invés de buscar um caçador de marfim que se isolou nos confins do Congo belga, busca um dissidente do exército americano que cria um ambiente próprio no Vietnã cercado de mistérios e opressão, assim como o Kurtz do livro.
Nota: ♥♥♥♥

O Silêncio dos Amantes

ENSAIOS - O SILÊNCIO DOS INOCENTES

Autor: LUFT, Lya
Idioma: PORTUGUÊS
Editora: RECORD
Assunto: Ensaios
Edição: 9
Ano: 2011
ISSBN: 9788501071934
Resenha segundo a Saraiva: Em O silêncio dos amantes, as histórias são pontuadas por conflitos familiares, solidão, a busca de um sentido da vida, rancores, incompreensão, mas também magia e amor nos relacionamentos. A incomunicabilidade entre pessoas que se amam resulta em tragédias e vidas assombradas pela culpa, mas também faz com que se abram os olhos para novos caminhos possíveis. “Aqui sim, é a linha que une as narrativas. A incomunicabilidade, o silêncio quando deveríamos falar e a palavra quando deveríamos ter calado: mas a gente não sabia. É parte do drama humano”, explica a autora. Um casal supera as dores do passado e encontra um novo caminho bastante singular; a rotina não permite enxergar o drama de quem está ao nosso lado; a mágoa e a revolta explodem numa libertação violenta; o preconceito em relação ao diferente pode ser mortal; a superficialidade impede de viver um verdadeiro amor; a morte revela o valor da vida: todos somos tocados pelo mistério. “É um livro também cheio de um fluxo poético, muito simbolismo, sempre a busca da beleza e do mistério, mesmo contando historias humanas. Porque é assim que eu vejo a vida”, diz. Com coragem e delicadeza, Lya Luft nos provoca a vermos sob um novo prisma o nosso cotidiano, pressentindo a imprevisibilidade, que o torna mais rico. “Ser humano, com toda a miséria e grandeza que isso significa, não é apenas precisar de amparo e consolo, mas também enxergar, abaixo da superfície e atrás das paredes, novas possibilidades de viver e se relacionar”, diz Lya.
Minha Opinião: Adorei. Mais do que os dois anteriores. Já de cara uma crônica para deixar qualquer mãe&esposa no chão e no céu ao mesmo tempo. Na verdade o livro inteiro deixa explícito o quão importante é não deixar coisas implícitas, mas sim muito bem explicadas e confirmadas. Especialmente quando se trata de uma relação entre duas pessoas que pretendem compartilhar as vidas por um tempo ou para sempre.
O silêncio pode ser o fator mais nocivo para uma relação. O calar-se, ao mesmo tempo que pode ser usado com sabedoria, pode condenar relações sem condições de retorno. Muito bom mesmo!
Nota: ♥♥
♥♥

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Pensar É Transgredir

ENSAIO - PENSAR É TRANSGREDIR

Autor: LUFT, Lya
Idioma: PORTUGUÊS
Editora: RECORD
Assunto: Ensaios
Edição: 1
Ano: 2004
ISSBN: 8501069698


Resenha segundo a Saraiva: Algumas das crônicas de 'Pensar é Transgredir' - livro inédito da gaúcha Lya Luft - foram escritas para jornais, outras, inéditas, faziam parte do acervo pessoal da autora. Nesta coletânea, Lya fala com extrema delicadeza sobre seus temas preferidos e que fizeram de 'Perdas & Ganhos' um fenômeno editorial. Romances, ensaios, poemas e textos breves são o jeito de Lya de rondar algo que a assusta ou seduz. As tramas e os dramas existenciais, o sentido e o valor da vida, o cotidiano banal e misterioso, amores e desencontros. As escolhas e silêncios. A narrativa de Lya se faz ouvir pela voz de uma mulher, uma personagem feminina que relata sua problemática. Porém, não se imagine este livro como algo solene ou severo: sua temática vai da preocupação com o social à inquietação pelo mistério da vida. Como sempre, Lya não escreve para leitores de sexo ou idade especial, mas para o leitor que chama de seu amigo imaginário, que pode ser homem, mulher, velho ou jovem: a quem convida a transgredir a monotonia, a mesmice, a acomodação e a futilidade, refletindo sobre várias questões que poderiam ocorrer a qualquer um de nós. 'Não inventei ao dizer que meu leitor é cada vez mais a síntese dos amigos imaginários que me fizeram companhia na infância das minhas perplexidades', finaliza.

Minha Opinião: Assim como Perdas e Ganhos, esse livro trata de assuntos que muitas vezes deixamos escondidinhos ali atrás da rotina, pra não ter que pensar muito. Não é o tipo de leitura que eu prefiro, mas confesso que as crônicas da Lya me cativaram.
Ela consegue falar sobre o "viver" de forma sensata mas com poesia. E várias vezes me peguei parando no meio da leitura e pensando: "Gente, é isso mesmo! É exatamento o que eu penso!".
Recomendo demais, pelo menos a leitura de um dos seus ensaios.

Nota: ♥♥♥♥♥

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Perdas e Ganhos


ENSAIO - PERDAS E GANHOS

Autor: LUFT, Lya
Idioma: PORTUGUÊS 
Editora: RECORD 
Assunto: Ensaios
Edição: 40 
Ano: 2003 
ISSBN: 9788501067111
Resenha segundo a Saraiva: “Entendi que a vida não tece apenas uma teia de perdas mas nos proporciona uma sucessão de ganhos. O equilíbrio da balança depende muito do que soubermos e quisermos enxergar.” Lya Luft 

Num misto de ensaio e memórias, em'Perdas e Ganhos', Lya retoma diversos temas de "O Rio do Meio", livro publicado em 1996, vencedor do prêmio de melhor livro da Associação Paulista de Críticos de Arte. Considera o ser humano ao mesmo tempo bom e capaz, fútil, medíocre e até cruel. Embarcado numa vida que é um dom, um mistério, e uma conquista a cada momento. 

Lya acredita que “a felicidade é possível, que não existe só desencontro e traição, mas ternura, amizade, compaixão, ética e delicadeza.” Sobre isso dialoga, aqui, com seu leitor.
Minha Opinião: Não gosto muito desse tipo de leitura, mas tenho que dar a mão à palmatória: Lya Luft é boa em descrever os sentimentos e as pessoas. Ao mesmo tempo que afaga ela esbofeteia a cara do leitor, tipo: "Acorda, você aí!!!!". Realidade versus poesia, Lya é uma excelente leitura para que ponhamos nossos pés no chão e entendamos que o universo é bem maior que o nosso umbigo.
Nota: ♥♥♥♥